sexta-feira, 30 de julho de 2010

Rascunhando Poesia: "Sentimentos"


Sentimentos

Sonhar ainda é permitido
Mesmo que realizar os sonhos,
Às vezes, seja proibido.
O importante é continuar sonhando
Para a alma ir alimentando.
Os sentimentos bem escondidos
Nos recantos do supremo coração
Onde porém, em segurança, podem ser mantidos
Até que de cheio este coração
Acabe por encontrar grande coragem
E com nada ou ninguém mais se importar
E de uma só vez, sem pensar
A todos demonstrar
A força de um sentimento
Quando sai a procurar
Outro peito onde se acomodar.
(Assis Coelho - Imagem da Internet)

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Ser Flamengo



Milton Gonçalves presta homenagem ao Flamengo e declara seu amor pelo clube. "Ser Flamengo é ser humano e ser inteiro e forte na capacidade de querer. É ter certezas, vontade, garra e disposição. É paixão com alegria, alma com fome de gol e vontade com definição. É ser forte como o que é rubro e negro como o que é total. Forte e total, crescer em luta, peleja, ânimo, e decisão. Ser Flamengo é deixar a tristeza para depois da batalha e nela entrar por inteiro, alma de herói, cabeça de gênio militar e coração incendiado de guerreiro. É pronunciar com emoção as palavras flama, gana, garra, sou mais eu, ardor, vou, vida, sangue, seiva, agora, encarar, no peito, fé, vontade. Insolação. Ser Flamengo é morder com vigor o pão da melhor paixão; é respirar fundo e não temer; é ter coração em compasso de multidão. Ser Flamengo é ousar, é contrariar norma, é enfrentar todas as formas de poder com arte, criatividade e malemolência. É saber o momento da contramão, de pular o muro, de driblar o otário e de ser forte por ficar do lado do mais fraco. É poder tanto quanto querer. É querer tanto como saber; é enfrentar trovões ou hinos de amor com o olhar firme da convicção. Ser Flamengo é enganar o guarda, é roubar o beijo. É bailar sempre para distrair o poder e dobrar a injustiça. É ir em frente onde os outros param, é derrubar barreiras onde os prudentes medram, é jamais se arrepender, exceto do que não faz. É comungar a humildade com o rei interno de cada um. É crer, é ser, é vibrar. É vencer. É correr para; jamais correr de. É seiva, é salva; é vastidão. É frente, é franco, é forte, é furacão. É flor que quebra o muro, mão que faz o trabalho, povo que faz país." (Artur da Távola)